segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Poesia ando

Meu dia em pecado
Num pedaço do recado
Talvez minha metade

Abrace-me e negue-me
Maltrate-me e depois me mate
Ressuscite-me
E de novo mate-me

Por isso tenho medo
E duvido também
Dessa falsa verdade
Que ouço todo dia
Que a morte é o amém
Pois separo da vida
E renasço na poesia

Eis a parte de mim
Separada do fim
Do fim da vida
Do fim do dia
No fim a poesia

(amosventura)

4 comentários:

  1. Lindo seu poema!

    Lindo seu cantinho!

    Obrigada pela visita!!!

    ResponderExcluir
  2. até que enfim encontrei, preciso aprender mais contigo como aperfeiçoar essas, essas ferramentes virtuais...

    ResponderExcluir
  3. ...o melhor mesmo é o fim do dia, se perguntam, és infeliz ou feliz, diferença nenhuma faz...o lance da poesia, de vez em quando, ou deveria ser sempre, vai saber, transita por aí...

    ResponderExcluir
  4. Como se diz por aqui: Botô quente!

    ResponderExcluir