domingo, 17 de julho de 2011

Despedida

Alguém sussurrou outrora
Em noites e semanas inteiras
No imenso vazio contemplava
As flores sem um jardim

A chuva continua caindo lá fora
Adornando as ultimas frases
Ditas antes do silêncio absoluto
Que faz quando vai embora

Mas fica discretamente como um espinho
Cravado, sem sentido
Em algum lugar
No velho corpo parido

(amos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário